Pesquisar em nosso conteúdo

Postagem em destaque

RESCISÃO DE CONTRATO FINALMENTE DISPONIBILIZADA NO E-SOCIAL

RESCISÃO DE CONTRATO NO E-SOCIAL A Receita Federal do Brasil (RFB) publicou ontem em seu site  a informação de que já e...

PARTE DO FGTS PODERÁ TER MAIS RENTABILIDADE A PARTIR DE 2014

PARTE DO FGTS PODERÁ TER MAIS RENTABILIDADE A PARTIR DE 2014
Trabalhadores terão a opção de investir parte do saldo em Fundo de Investimento em Cotas que aplica em projetos de infraestrutura

A partir do ano que vem, os 117,6 milhões de trabalhadores brasileiros que têm recursos no Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) poderão garantir um rendimento anual maior do que a Taxa Referencial (TR) mais 3% para parte do saldo em conta. Após quatro anos de espera, a Caixa acerta com a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) até o fim do ano os últimos trâmites para a criação do Fundo de Investimentos em Cotas (FIC) atrelado ao FI-FGTS (Fundo de Investimentos do FGTS, destinado a financiar obras de infraestrutura), que começará a ser operado já em 2014.
A criação do novo fundo foi autorizada pelo Conselho Curador do FGTS em 2009 mas só agora deve sair do papel. Em entrevista exclusiva ao Brasil Econômico, o Superintendente Nacional de Fundos de Investimentos Especiais da Caixa, Cassio Viana de Jesus, adiantou que o processo vem sendo discutido com a CVM desde o início do ano e que as instituições vêm tendo reuniões rotineiras para aprofundar detalhes da operacionalização do fundo.
De acordo com o Superintendente de Fundos de Investimentos Especiais da Caixa, a perspectiva é de que ainda este ano o processo de regulamentação do FIC FI-FGTS já esteja finalizado. Os próximos passos serão a formatação da resolução com as normativas do FIC e a aprovação da oferta pública junto à CVM. "O que levaria alguns meses por seguir trâmites específicos, ainda mais por este ser um fundo que atenderá às exigências do trabalhador", completa Cássio Viana, esclarecendo que só em 2014 os correntistas do FGTS poderiam começar a fazer o investimento.
Fonte: Brasil Econômico

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário, dúvida ou sugestão

Digite seu e-mail abaixo e inscreva-se


Receba nossas atualizações no seu e-mail