Pesquisar em nosso conteúdo

Postagem em destaque

RESCISÃO DE CONTRATO FINALMENTE DISPONIBILIZADA NO E-SOCIAL

RESCISÃO DE CONTRATO NO E-SOCIAL A Receita Federal do Brasil (RFB) publicou ontem em seu site  a informação de que já e...

DIVISÃO DE FÉRIAS DE DOMÉSTICOS PODERÁ SER EM ATÉ DOIS PERÍODOS

 DIVISÃO DE FÉRIAS DE DOMÉSTICOS PODERÁ SER EM ATÉ DOIS PERÍODOS
Jucá aceitou pedido de centrais sindicais, contrárias a três períodos.
Expectativa é que relatório seja votado na quinta no plenário da Câmara.

O relator da proposta de regulamentação da emenda constitucional que amplia os direitos de empregados domésticos, senador Romero Jucá (PMDB-RR), afirmou nesta terça-feira (4), após reunião com representantes de cinco centrais sindicais, que incluirá em seu relatório a possibilidade de divisão das férias de trabalhadores da categoria em apenas dois períodos.

Inicialmente, o texto de Jucá previa que as férias dos domésticos fossem divididas em até três períodos. A mudança foi solicitada pelos sindicatos e equipara as férias de domésticos ao das demais categorias de trabalhadores urbanos e rurais. Um dos períodos de férias deve ter no mínimo 14 dias.

Atualmente, não há regra específica para a divisão das férias que, segundo o Ministério do Trabalho, é fixada a critério do empregador.

De acordo com Jucá, sua proposta finalizada será entregue nesta quarta ao presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). A intenção do relator é que o texto seja votado em comissão especial na quinta-feira, para em seguida ser apreciado pelos plenários da Câmara e do Senado.

Banco de horas
Segundo Jucá, os sindicalistas também querem que seja garantido aos domésticos o pagamento de no mínimo duas horas extras feitas por dia. Só a partir deste número e de um total de 40 horas extras pagas em um mês que poderia passar a contar a possibilidade de uso das horas extras num banco de horas.  Pela proposta das centrais, esse banco de horas também deixaria de ser anual, como propôs Jucá, e passaria a ter de ser cumprido trimestralmente.
A presidente da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas, Creuza Maria Oliveira, disse estar satisfeita com a negociação que tem sido feita com o relator da proposta de regulamentação da emenda das domésticas. “Ficamos satisfeitos porque sentamos com as centrais sindicais avaliando ponto a ponto [...]. Claro que não conseguimos tudo que desejávamos, mas conseguimos uma parte”, declarou.

FGTS
Durante a reunião, os sindicalistas também fizeram pedido sobre o valor a mais pago pelos empregadores para o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Eles querem que os 3,2% do salário depositados no fundo como forma de garantir a indenização dos domésticos de 40% do FGTS quando houver demissão sem justa causa não seja devolvido aos patrões quando houver justa causa.


As centrais pediram que, na demissão por justa causa, o valor seja transferido para o INSS, que no caso dos domésticos tem cobrança reduzida de 12% para 8% do salário, e para o Fundo de Amparo ao Trabalhador, que custeia seguro-desemprego e abono salarial.  “Vou analisar tecnicamente se é possível fazer isso, a situação legal. Tem certa lógica nisso, já que está havendo uma redução de 12% para 8% da contribuição de patrões com o INSS”, disse Jucá.

Na semana passada, Romero Jucá anunciou que retirou de sua proposta o pagamento de indenização a trabalhadores demitidos por justa causa. Na minuta do projeto, Jucá propunha um pagamento de 40% do saldo o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) em qualquer rescisão de contrato. Em sua nova proposta, patrões poderiam ficar com os 3,2% pagos a mais mensalmente para garantir a indenização nas demissões sem justa causa.

Jucá também havia incluído anteriormente a possibilidade de dividir igualmente entre empregados e empregadores – em casos de demissão com acordo – a indenização que seria paga aos domésticos por demissão sem justa causa, de 40% do FGTS. Jucá também aumentou, de dez para onze horas, o período mínimo de descanso entre duas jornadas de trabalho.

A regulamentação da emenda das domésticas é necessária para efetivar sete dos 16 benefícios obtidos pelos trabalhadores da categoria com a emenda à Constituição 72, promulgada em abril. Os pontos que ainda precisam ser regulamentados são: seguro-desemprego, indenização em demissões sem justa causa, conta no FGTS, salário-família, adicional noturno, auxílio-creche e seguro contra acidente de trabalho.

Fonte: G1

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário, dúvida ou sugestão

Digite seu e-mail abaixo e inscreva-se


Receba nossas atualizações no seu e-mail